quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Seres Racionais?

Seres Racionais?

Estou numa fase da minha viagem, em que procuro encontrar o sentido da vida, encontrar o meu caminho. 
Questiono muito.
Pergunto o que  já todos perguntamos:
- O que é que eu quero?
- O que se espera de mim?
- O que faço aqui?

O barulho interior que estou a viver dificulta a que oiça a resposta. 
Conseguimos muito bem identificar o que não queremos. Identificar o que queremos, é mais complicado.

Posso estar mais sensível devido a esta fase de interrogação que estou a viver.
Não consigo ficar indiferente quando olho ao meu redor e vejo o alvoroço do "mundo". 
O mundo pode ter estado sempre assim e só agora ter-me apercebido. Pode! Pode ter sido só agora que tive a coragem de perceber o que está a acontecer.
Será que não aprendemos com as experiências falhadas anteriormente?
O mundo já viveu experiências horrendas, parece que nós, seres racionais  não aprendemos.

Analiso o comportamento humano, e não posso deixar de ficar apavorado com as atitudes que seres racionais, pelo menos têm esse estatuto, provocam.

Qual motivo de tanta agitação, ansiedade, violência?
Agressividade procurada e provocada por seres que se identificam como animais racionais. 
É racional procurar a violência, destruição?
Não há nada que em consciência justifique o procurar e o utilizar da violência e destruição.
Porque procuramos e provocamos situações de conflito?
O que nos assusta?

A mente e o ego, ardilosos, convencem-nos com as suas artimanhas e astúcias, que todos querem o nosso mal. 
Somos obrigados a defendermo-nos. Aliciam-nos com promessas de fama, poder, dinheiro... 
Instigam que temos que provocar deliberadamente o mal e o sofrimento, para obtermos a prometida fama e poder. Se não nos defendermos, perdemos.
Embriagados pela promessa de poder, não escutamos a voz da razão, ignoramos a consciência.

Em consciência, sabemos que desta experiência nada levamos connosco. Sabendo disso, porque criamos tanto mal?

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Escolho continuar a ser!

Escolho Continuar a ser!


Nesta viagem que escolhemos para viver mais uma experiência de vida que irá contribuir para a nossa evolução, sem nos apercebermos, estamos constantemente a decidir.
Aparentemente, há decisões que nos parecem inocentes, no entanto, todas elas são uma escolha do nosso caminho.
Já ouvimos a frase que uma pequena mentira pode ter graves consequências. Esta realidade também se aplica às decisões. Uma decisão é uma escolha, uma escolha de caminhos.
Há escolhas mais fáceis do que outras, provavelmente é a dificuldade da escolha que que as torna em grandes ou pequenas, sem analisamos as suas consequências.
Uma pequena escolha pode resultar em grandes consequências. Por isso insisto que todas as escolhas sejam em consciência. A consciência sabe tudo.
No decorrer desta minha viagem, gosto de lhe chamar assim, tive que fazer escolhas.
Não posso afirmar se as escolhas foram ou não boas, desconheço os caminhos a que as outras opções me levariam.
Hoje, porque conheço o caminho das escolhas que fiz, pondero se em algumas decisões não deveria ter optado de forma diferente.
No entanto desconheço por completo se o caminho seria melhor.
Acredito que somos nós quem escolhe, decide o nosso caminho. Sou da opinião que há determinados "pontos" da nossa viagem pelos quais temos que passar. Somos como que empurrados para esses pontos.
Numa decisão importante, muito importante para mim, percebi que tinha que "criar", altera o rumo para não desistir de ser. Estava a desistir.
Escolhi abrir uma porta que me levará a um caminho que como os outros desconheço. Sou eu quem o vai ter que construir.
Olhar o futuro com os olhos da mente, escolha provoca ansiedade.
É a matreira da mente a falar com todas as suas artimanhas que me deixa ansioso. Antes a ansiedade do que deixar de ser.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Reviravoltas da vida.


Na viagem que estamos a fazer nesta vibração, por vezes somos confrontados com situações, que desconhecemos, que alteram o ritmo e o percurso da nossa caminhada, quando tudo parecia um mar de rosas.
Quantas vezes não ouvimos já que a vida deu uma reviravolta? Reviravoltas, que não acontecem só aos outros.
As razões para essas reviravoltas?
Não tenho explicação, se tivesse seria bem mais fácil... sei que nada acontece por acaso, e que tudo o que acontece é para nosso bem.
Se bem que no viver dessas reviravoltas,pareça que estamos ensombrado por nuvens escuras, e fica complicado gerir os pensamentos.
Quando nos propomos (o nosso eu), a mais uma vivência, fazemos a escolha do que pretendemos ser, qual a nossa intenção, e só regressamos quando o nosso objectivo tiver sido cumprido.
A ideia de destino, é interessante.
Destino é chegada.
Somos livres de escolher o nosso percurso até ao nosso destino.
Nesta caminhada, acredito que tenhamos que passar por etapas que nos ajudam não só a adquirir mais experiência e a tornarmo-nos melhores pessoas, como a ajustarmo-nos ao nosso percurso até ao nossso destino.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

O Universo conspira a teu favor

O universo conspira a teu favor!
Não deseja o teu mal, só quer o teu bem.
Muitas vezes somos consumidos pelo sentimento "tudo me acontece", ou "não tenho sorte na vida". Já li um comentário que dizia: - "tenho tanto azar na vida, se abrisse uma fábrica de chapéus as pesosas nasciam sem cabeça".
O nosso ego, leva-nos a esse pensamento. Olhamos para o nosso umbigo esquecendo de olhar para as coisas boas que recebemos. Reparamos no que nos faz sentir mal, mas esquecemos de elogiar e agradecer o que nos faz sentir bem.
Como somos desconhecedores do que é desejado e esperado para nós, o universo ajuda-nos a encontrar o nosso caminho.
A grandeza do universo é de tal forma fantástica, que responde assim que tiver condições para o fazer, a todos os nosso pedidos e pensamentos.
Reserva uns momentos e pensa, recorda se o que recebeste não resultou de pedidos ou pensamentos anteriores?
Podemos não nos aperceber deste "poder", mas todos temos esta fantástica capacidade. O que nos leva a ter uma extraordinária atenção às nossas palavras e pensamentos.

Mindfulness

MINDFULNESS


Mindfulness, que tem sido traduzido como "Atenção Plena", simplesmente significa estarmos atentos ao momento presente, ter consciência do "Agora", estar presente.
Na escola quando nos ensinaram os verbos, aprendemos que existia o passado, o presente e o futuro.
Todos estes três tempos indicam continuidade temporal.
O passado, é tudo o que aconteceu até ao presente.
O futuro, tudo o que acontecerá do presente para a frente.
O presente, é a junção de os "Agora".,
Se analisarmos bem , também é um espaço de tempo.
Leva a considerar a existência de um quarto tempo o "Agora", que é onde tudo está a acontecer.
É no "Agora" que decidimos as nossas escolhas, que criamos o futuro.
Há técnicas que nos ajudam a viver o momento presente, nas quais utilizamos "âncoras" para obtermos uma observação consciente.
Concentrarmo-nos na nossa própria respiração:
Quando inspiramos mentalmente dizemos, "estou a inspirar".
Ao expirar, "estou a expirar".
Estarmos atentos aos movimentos do nosso corpo.
Ter uma atitude aberta, não julgadora, contemplar as maravilhas que a natureza nos oferece.

Acalmar a Mente

Acalamar a mente...

A mente é matreira, gosta de controlar. Provoca muito alarido, é bem falante, sabe como convencer. Dificulta-nos escutar a voz do coração, aquela que tudo sabe.
Sendo astuta, percebe quando a estamos a silênciar, temos que a distrair, acalmá-la.
6 minutos de meditação que nos ajuda a acalmar a mente.
No decorrer da meditação pergunta o que queres saber.

A resposta vai-te chegar.

http://youtu.be/CoKSots6NzY


Namasté